24/07/2015 por Norteando Você

A importância econômica da cajucultura

Segundo dados da EMBRAPA, 95% da produção nacional está localizada nos estados do Ceará, Piauí, Rio Grande do Norte e Bahia

A produção de caju chega  a arrecadar 2,4 bilhões por ano. Foto:Divulgação.

A produção de caju chega a arrecadar 2,4 bilhões por ano. Foto:Divulgação.

Poucas são as formas de cultura de plantio que resistem as mudanças climáticas de um ano inteiro. A Cajucultura pode ser usada como um exemplo claro dessa “resistência”, já que o seu cultivo é de fácil manuseio e, depois do período de colheita, os produtos do cajueiro são altamente rentáveis, sendo possível fazer diversas coisas com o fruto e a semente.

O fruto pode ser encontrado em todo território nacional, já que não é preciso de condições específicas para que a muda se desenvolva, porém o nordeste do país é o local onde se encontra a maior concentração do produto. De acordo com dados da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, a EMBRAPA, 95% da produção nacional está localizada nos estados do Ceará, Piauí, Rio Grande do Norte e Bahia, que são os principais produtores.

O caju é um dos negócios mais rentáveis dessa região. Essa importância pode ser verificada no número de empregos diretos que são gerados, dos quais 35 mil são no campo e 15 mil na indústria, além de 250 mil empregos indiretos nos dois segmentos. Para o Semi-Árido nordestino o valor do produto é ainda maior, pois os empregos do campo são gerados na entressafra das culturas tradicionais como milho, feijão e algodão, reduzindo, assim, o êxodo rural.

Fonte de vitaminas

Além do aspecto econômico, o caju e seus derivados apresentam elevada importância alimentar. Ele contém de 156 mg a 387 mg de vitamina C, 14,70 mg de cálcio, 32,55 mg de fósforo e 0,575 mg de ferro por 100 ml de suco.

Engana-se quem pensa que o produto só é consumido no país. Estados Unidos e Canadá são os principais consumidores da amêndoa brasileira, sendo responsáveis por cerca de 85% das importações. O agronegócio do caju no mundo movimenta cerca de 2,4 bilhões de dólares por ano. Aqui, a produção de amêndoa de castanha de caju destina-se, tradicionalmente, ao mercado externo, gerando, em média, cerca de 150 milhões de dólares por ano.

No Ceará um dos maiores pólos produtores da cajucultura é o município de Cascavel, que é o oitavo município mais rico do estado. Na cidade está a fábrica da empresa Cascaju.

Notícias relacionadas

Deixe aqui seu comentário